Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jardins Suspensos

Jardins Suspensos

[JukeBox] Fado, um Legado

Um dos meus Fados Favoritos :) Eu sei que sou uma caixinha de surpresas!
 
O Fado, o nosso hino mais sentimental e intríseco, tornou-se Património Imaterial da Humanidade!
 
Se não estão orgulhosos ou se acham que há coisas mais importantes, podem ter razão na segunda mas não vos desculpo a primeira!
 
 
 
 
 

 

[People] O Mundo está Cheio de Coisas Idiotas e Pseudo-intelectuais #2

 Porquê que eu amo a blogosfera: Porque posso dizer o que penso.

 Porquê que eu odeio a blogosfera: Porque todos os outros também podem!

 

 Confusos? Eu não.

 

 Este meio de comunicação foi criado com o intuito de unificar e partilhar, deixar escrito o que muitas vezes não se atreve a sair-nos dos lábios. E se bem usado, pode ser algo maravilhoso, pois deixar alguém que não conhecemos de lado algum, emocionado ou bem disposto com aquilo que escrevemos, é um feito de tamanho emorme.

 Isto serve para partilhar o nosso eu com o mundo e se não estamos dispostos a tal, de que vale ter um blog, de que vale ter um blog público, de que vale ter um blog que não tenha comentários moderados? Se vamos destratar ou grosseiramente responder a alguém que mesmo não tendo lido tudo quanto escrevemos mas que gostou do que viu e decidiu que aquele era um blog que deveria visitar mais vezes e mesmo seguir, comentou, deixou o link do seu próprio blog e convidou a pessoa a conhecê-lo, porquê que temos um blog? Ser mal educado agora é moda? Sou eu que estou antiquada e não entendo?

 

 Talvez esteja a dar relevo demais ao pouco reconhecimento que as meninas importantes da blogosfera dão à Ana ou Maria comum, que também merece reconhecimento pela entrega de si mesma no seu canto. Mas é necessário falar sobre isso. É necessário dizer às princesas do teclado que todas nós somos princesas também. E muitas de nós temos mais conteúdo numa unha roída do que elas no corpo todo. Pois muitas de nós aliamos esta entrega ao emprego, aos filhos, ao que fazer para jantar e tantas coisas mais.

 

 Não se mede a importância de alguém apenas e somente pela quantidade de seguidores ou comentários cravados de monossílabos que tem. Nem sequer se tem muitas parcerias com marcas de renome. A importância de alguém, aquilo que vai deixar quando parar de querer ou poder bloggar, é a maneira como tratou quem esteve com ela, quem a visitou porque viu o link num blog e depois outro num comentário que leu e que por entre portas e travessas, lá foi parar, a maneira como se sentiu aconchegada ou não ao chegar. É isso que fica.

 

 Fiquem à vontade para deixar o link do vosso blog no comentário que me deixarem, se acharem que devem comentar. Acredito que só nos damos ao trabalho de fazer algo se tivermos vontade. Eu só comento onde quero e quando quero. Mas sei ser agradecida e de entre tantas coisas que aprendi, é que arrogância é um dos piores defeitos que se pode ter.

 

 O meu blog é pequeno? É. Vai ser grande? Já é. Para mim, para quem quiser, para quem entrar e se sentir bem porque eu disse o que me deu na gana ou porque tirei fotos a prémios ou compras ou às unhas. Porque fiz uma tag. Porque mandei alguém para o lado detrás da lua. Tanto faz.

 Entrem, sintam-se bem. E se não se sentirem, tenho pena mas não me mato a pensar em coisas que possam agradar a Gregos e a Troianos, é impossível fazê-lo.

 

 

 Conselho, não de amiga mas de quem passou por uma situação assim: se se sentirem incomodadas com um comentário no vosso blog não vão para o blog da outra pessoa fazer um comentário maldoso como paga. Podem simplesmente apagar o que vos fez enraivecer. Ou, como eu fiz uma vez, num outro blog que tenho, enviar um email educado, a explicar o quanto me desagradou o que disse.

 

 Fazer aos outros o que clamamos não admitir fazerem a nós, é de uma inconsistência atroz.

 

 

 

[Etc] trnd - I'm In!

 Já conhecem a trnd? As siglas representam, the real network dialogue, que se baseia no Marketing Passa-palavra.

 

 Então o que é isto?

 

 

 Ora bem, as mulheres talvez compreendam melhor que os homens mas a realidade é que quando se trata de falar sobre algo que os agrada ou não, ambos os sexos soltam a língua. Esse é o ponto de partida desta impresa que ja tem tido sucesso noutros países e que lançou agora o seu primeiro projecto entre nós, após o ter publicitado durante uns meses.

 

 Quem é que nunca ouviu dizer: "adoro aquele chocolate!", "aquele perfume é óptimo!" ou afins, da boca de familiares, colegas ou amigos? Todos nós o fizemos, tanto como ouvinte ou orador. E isso, essas opiniões expressas com veemência, quantas vezes influenciaram compras e decisões? É aí que entra o Passa-palavra. É dar a oportunidade de ter pessoas a experimentar produtos novos no mercado, fazê-los divulgar, trocar ideias, por o nome do produto a circular na maior quantidade de bocas e lugares e retirar conclusões daí. Tem uma lógica simples e é simples. É a empresa que se dispõe a ouvir quem interessa, nós, o consumidor final que gasta o seu dinheiro nos produtos. E escasseiam oportunidades destas por cá, ao contrário de muitos outros países, mas isso são contas de outro rosário.

 

 O primeiro projecto já foi lançado, Milka Snax e os 2000 sortudos que foram escolhidos para receber as amostras em casa foram contactados. Incluindo yours truly :) Que é o mesmo que dizer que também eu receberei em casa chocolates para provar e distribuir pelas pessoas da minha vida e depois sugar-lhes informação! E claro, fazer-vos um up date para saberem como funciona.

 

 

 

 Em breve haverá mais projectos, um de Café e outro de Beleza e Bem-estar, o que quer dizer que quem ainda não está inscrito, está mais do que a tempo de se inscrever.

 Aquilo que é requerimento básico é ter vontade e quando preencher um ficha de candidatura a um projecto, mostrar isso mesmo. Porque as coisas boas não acontecem só aos outros, podem acontecer a nós, desde que nos cheguemos à frente!

 

 Registem-se aqui, vale sempre a pena :)

 

Esta imagem serve para vos mostrar algumas das marcas com que a trnd já trabalhou em mais de 6 anos, não querendo dizer que por cá sejam suas parceiras.

 

 

 

[JukeBox] Lemar - If There's Any Justice

 
Apesar de já ter quase 10 aninhos, é uma das minhas músicas favoritas of all times.
Faz-me lembrar o Craig David dos primeiros tempos...
 
Não me perguntem porquê.
A woman's mind works in mysterious ways!
 
{#emotions_dlg.star}

 

[JukeBox] Wyclef Jean feat Mary J. Blige - 911

 
 É uma canção de Amor, mesmo que não tenha as declarações lamechas da praxe. Mas é linda :)
 
 Bom Dia!!!

 

[JukeBox] Incubus - Promises, Promises

I'm on the road of least resistance
I'd rather give up than give in to this
So promise me only one thing, would you?
Just don't ever make me promises
No promises

Adoro esta música de paixão :)
 
 
 Durmam bem!

 

[Família] Irmandade, uma carta de tréguas

 Não me lembro bem como era quando éramos pequenas, as memórias estão baralhadas na minha cabeça, tenho montanhas delas, umas boas, outras nem tanto.

 

 Não me lembro de quando ficámos tão longe uma da outra, nem o porquê, lembrar-te-ás tu?

 

 Quando saiste pela porta, chorei. Chorei como chorei quando foste atropelada em criança e rezei para que Deus não te levasse. Ontem chorei assim mas não o fiz em frente a ti, esperei que te fosses para o fazer.

 

 Somos tão diferentes, pois somos? Às vezes penso que te desiludi, será que foi isso que criou o fosso que impera entre nós?

 

 A esta hora estás no céu, dentro de um pássaro de ferro, ao encontro da tua nova morada, levas nos braços o meu sobrinho que amo tanto e no ventre a minha sobrinha que não vou conhecer tão cedo. Espero que a tua vida futura seja tudo o que dela esperas e melhor, não te desejo a vida que me foi destinada, apesar de não ter vergonha alguma de ser quem sou, mesmo que tu possas ter.

 

 És minha irmã e Amo-te. Mesmo que não o mostre como deveria. Mas sim, Amo-te.

 

[Família] Ser Mãe não é um Passeio no Parque!

 - Mãe, mãe, chega aqui!!

 - O que é?!

 - Eu não sou virgem!

 

 Fico a olhar para a cara séria dele uns cinco segundos mas noto ali os cantos da boca a tentarem subir e a força que faz para não se rir e respondo-lhe:

 - Pois não, és Aquário! (e desmancha-se a rir)

 

 Será que há alguma nova disciplina na escola cujo nome seja "Como causar ataques cardíacos a Mães"?!

 

 Tem 11 anos, como será quando tiver 17?!

 

 

[Economia Doméstica] Grão a Grão. Ou Feijão.

 

 Ora bem, como não sei onde enfiei o raio do dispositivo Bluetooth e não consigo tirar fotos ao mealheiro, resolvi perguntar ao Google e ele respondeu-me imediatamente, com uma foto exacta do meu mealheiro! Gotta love the Internet!

 

 Passando à frente. Quero falar de poupança. Hoje é de dinheiro, que isto de poupar atinge várias áreas, seja saúde ou afins mas eu ainda não fiz 30 anos, portanto ainda não atingi esse plano espiritual de que as ancestrais falam. Eu divago um pouco, sorry.

 

 Então poupar! Hoje em dia fala-se mais sobre o tema mas a poupança deve estar presente em todos os nossos pensamentos, não apenas quando a desgraça toca à porta mas principalmente antes. Quando se tem mais dinheiro, é o momento ideal para o poupar, quando tem pouco, como irá esmifrá-lo para que chegue para tudo?

 

 Não sou uma especialista no tema mas tenho as minhas ideias sobre o mesmo.

 

 Então, como é que eu poupo ou tento?

 

 Marca branca. Ponto final, parágrafo. Essa é a minha maior forma de poupar. Claro que tem excepções, como por exemplo quando o artigo de marca me fica mais barato numa promoção ou quando fica pouco mais caro e a qualidade é melhor (caso do Leite Condensado Cozido da Nestlé), compensando os cêntimos gastos a mais.

 

 Vales, talões e outras complicações. Alguns valem a pena, outros nem tanto. O que destingue os dois, é decidir se o artigo de que tem vale, e que será de marca, fica mais barato e mais compensatório em termos de qualidade, que o de marca branca. Exemplo? Eu tenho Cartão Minipreço e nos talões deste mês tenho 1,20€ de desconto em Condicionadores, Máscaras e Espumas Pantene. Adicionando a isso, tenho um vale, enviado do site Para Mim (visite que só tem a ganhar, tem muitas mais dicas de poupança), de 1,50€ de desconto em Champôs ou Condicionadores Pantene. Como o talão do Minipreço não alberga Champô, compro o Condicionador, o qual também preciso e uso. O artigo está a 3,49€, retiro 1,20€ do talão e mais 1,50€ do vale e vou pagar apenas 0,79€ pelo artigo. Não é magia, é saber aproveitar as promoções e os vales e unir todas essas ferramentas de poupança que se complementam e nos fazem a carteira feliz.

 

 Comparar preços em lojas diferentes. Às vezes parece muito trabalhoso e não há vontade de ir a duas lojas diferentes no mesmo dia. Eu faço isso. Por exemplo, vou comprar as Natas para Culinária ao Minipreço, pois o preço é de 0,39€, e a seguir vou ao Pingo Doce comprar Mostarda a  0,59€, pois os preços são diferentes e mais dispendiosos nas lojas em que não os comprei.

 

 Promoções em quantidade. Aquelas coisas do Leve 3 Pague 2 ou afins pode de facto fazê-lo poupar, não hoje pois irá comprar mais quantidade do que queria, mas amanhã quando voltar a precisar do artigo e ele estiver mais caro. Isso é poupar.

 

 Se a loja tem cartão de fidelidade e é grátis, tenha! A sério, se não lhe vai tirar dinheiro do bolso e não demora muito a fazer, faça. Pode sempre servir para alguma coisa. O Cartão Minipreço tem os talões. O do Continente tem os descontos lá dentro e os vales enviados para casa. Claro que estes cartões apelam sempre à volta do cliente à loja mas se for para poupar, volta-se na mesma. Os que se paga eu não tenho, pois alguns são de crédito, o do Jumbo, da Worten e da Fnac por exemplo.

 

 Comprar online em muitos casos pode de facto ser uma forma de poupança. Tenha por exemplo o ClubeFashion. Não custa dinheiro para ser membro e pode encontrar aquela peça que sempre quis a um preço diminuto. Ou um serviço, nas Oportunidades. Eu já fiz compras lá por exemplo e só posso dizer bem. Leilões é que não faz o meu estilo pois é viciante.

 

 Pagar em dinheiro ao invés de cartão, mesmo que seja Multibanco. Quando se compra com dinheiro e se sabe exactamente quanto se levou para a rua, é mais fácil saber onde ele foi parar, o que muitas vezes com cartão não funciona, pois só marcamos o código e não temos a experiência visual de ver que estamos a gastar pouco ou muito. E isso é importante.

 

 Separar dinheiro. Dividir o dinheiro tendo em atenção as contas fixas, fará com que fique com noção do que resta para usar durante o mês. Desse que resta, tente sempre guardar entre 15 a 20%, pode ser necessário.

 

 Um fundo de emergência. Diz quem sabe que esse fundo deve ser equivalente a pelo menos 6x a quantia que gasta por mês nas despesas fixas, para durar 6 meses num eventualidade de doença ou falta de emprego. O problema é em poupar esse dinheiro todo. Isso já vai depender da forma de cada um racionar as suas prioridades e receitas/despesas. Eu tenho um mealheiro igual ao da foto e tento deixar as moedas dos trocos do dia lá. Quando o mês me corre bem e não preciso de recorrer a ele, é uma maquia agradável, acredite. Descubra o que funciona consigo, a forma adequada para si, que o levará a poupar!

 

 Não ter vícios. Vícios é aquela coisa que tem a ver com prazer ou dependência aguda. Faça as contas aos cafés que bebe, aos maços que fuma e ao álcool que ingere. Repense a sua posição quanto ao assunto. Se não conseguir deixar ou não quiser, tente aligeirar o vício. Já pensou no dinheiro que poupa ao mudar de tabaco normal para o de enrolar? Faça as contas. Há prazeres que ficam mais baratos e menos danosos para a saúde. Já aí está a poupar em contas de Hospital e Farmácia.

 

 Decida: transportes ou carro? Outra vez, faça as contas. O que compensa para si? Ir de carro o caminho todo ou apanhar o comboio? Fala-se muito em termos genéricos mas eu conheço quem poupe de uma forma e quem poupe da outra. A decisão final é sua, pois será você mesmo a ter controlo na sua vida.

 

 Quando vai trabalhar, leve o almoço/jantar de casa. Eu sei que é uma seca andar com aquilo de trás para a frente e é mais fácil comprar qualquer coisa no bar, mas essa qualquer coisa ao final do mês, vai ser um buraco no orçamento. Se fizer as contas direitinho, até vai andar mais contente com o saco atrás.

 

 Sacos. Tanto quanto sei ou tenha noção, apenas o Continente e o Jumbo não cobram pelos sacos de plástico, apesar do Jumbo ter caixas em que os sacos são pagos, guess what?, estão quase sempre vazias. Mas acredite que num futuro próximo isso vai mudar. Portanto, e até por questões ambientais, reutilize os seus sacos. Nunca vá às compras desprevenido, está absolutamente fora de questão! Poupar e ser eco-responsável num só gesto é um feito impressionante.

 

 Procure/Venda/Troque pechinchas. Há cada vez mais gente a fazer bijuteria e vendê-la a preços baratos ou a revendê-la, assim como peças de cosmética e roupa em 2ª mão. Encontra-as no Facebook por exemplo (eu encontrei e quando puder passar fotos para p pc posto com as devidas honras) e em blogs. Ver não custa. E se for o seu género, em vez de vender, troque o que não quer pelo que precise.

 

 Se tiver tempo, faça passatempos. Parece parvo mas não é. Há blogs, sites e páginas de Facebook que fazem passatempos ou sorteios regularmente. Tentar não é mau, o que é mau é deixar fugir oportunidades. Eu hei de fazer disso mas ainda não sei bem quando, por isso voltem. Neste site e noutros do género poderão ver o que há por aí e tentar a sorte. Eu lá vou ganhando algumas coisinhas, o que me faz poupar obviamente.

 

 

 Acho que não me estou a esquecer de nada mas se depois me lembrar de algo, faço uma sequela do post!

 

 Sejam felizes :)

 

 P.S. O meu mealheiro é tão giro pois é?

 

 

[Etc] Eu andei pelas águas turvas e sobrevivi

 Ontem à noite, ia-me dando uma coisa má! Really!

 Isto para quem passou na Ponte 25 de Abril às 00h45-01h00, consegue perceber-me perfeitamente, fosse em que sentido fosse.

 Pois que o São Pedro decidiu que o estado do país não estava mal que chegasse, que não haviam desgraças poucas e decidiu unilateralmente afogar-nos com baldes de água celestial, tamanho mega-xl.

 Ou então decidiu que não tendo nós capacidade para suportar o evento do fim do mundo para o ano, quis dar uma ajudinha.

 

 Aquilo que importa salientar, são os relâmpagos que quase me cegaram, o pouco ou nada que se conseguia ver na Ponte, as poças gigantescas de água que se amontoavam junto às bermas da estrada, as rotundas idem, fora as tampas de esgoto que estavam quase a saltar, já que estavam os esgotos cheios e a transbordar. Isto na Margem Sul, que quando estava em Lisboa não era em nada o dilúvio descrito nestas linhas. Não era suposto ser um deserto deste lado?

 

 E depois como se o azar fosse parco e não fôssemos nós dizer bem da sorte de não termos acidente algum, não havia lugar para estacionar perto de casa. Vai de dar voltas ao quarteirão e encontrar um lugar feio e escuro (eu não sou racista, era mesmo escuro) lá para onde o meu paizinho perdeu as botas. Entre abrir porta e sair, fechar porta, abrir a de trás, tirar o saco e o chapéu de chuva e fechar a porta, demorei cerca de 10 segundos. Meia hora depois quando fui tomar banho, ainda tinha o cabelo molhado. Mas esperem, e para atravessar? A estrada normal com duas vias de rodagem, só na parte da linha descontinua é que não tinha água a rodos. O que quer dizer que fiquei com 1 litro de lágrimas do céu em cada um dos ténis.

 

 Funny right?

 Not so much...

 

 A quem tiver que andar na estrada ou no passeio com este tempo desalmado e volátil, peço que tenham em mente tudo o que podem fazer para se manterem a vós e aos outros, seguros. Porque sim, a vida de alguém pode depender do vosso civismo.

 

Até já.

 

 

P.S. Para quem não percebeu, enfiada entre desabafos e apelos sérios, estava descaradamente embutida a ironia que algumas almas acham que possuem. Pois...

 

 

Pág. 1/2