Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jardins Suspensos

Jardins Suspensos

[Economia Doméstica] Grão a Grão. Ou Feijão.

 

 Ora bem, como não sei onde enfiei o raio do dispositivo Bluetooth e não consigo tirar fotos ao mealheiro, resolvi perguntar ao Google e ele respondeu-me imediatamente, com uma foto exacta do meu mealheiro! Gotta love the Internet!

 

 Passando à frente. Quero falar de poupança. Hoje é de dinheiro, que isto de poupar atinge várias áreas, seja saúde ou afins mas eu ainda não fiz 30 anos, portanto ainda não atingi esse plano espiritual de que as ancestrais falam. Eu divago um pouco, sorry.

 

 Então poupar! Hoje em dia fala-se mais sobre o tema mas a poupança deve estar presente em todos os nossos pensamentos, não apenas quando a desgraça toca à porta mas principalmente antes. Quando se tem mais dinheiro, é o momento ideal para o poupar, quando tem pouco, como irá esmifrá-lo para que chegue para tudo?

 

 Não sou uma especialista no tema mas tenho as minhas ideias sobre o mesmo.

 

 Então, como é que eu poupo ou tento?

 

 Marca branca. Ponto final, parágrafo. Essa é a minha maior forma de poupar. Claro que tem excepções, como por exemplo quando o artigo de marca me fica mais barato numa promoção ou quando fica pouco mais caro e a qualidade é melhor (caso do Leite Condensado Cozido da Nestlé), compensando os cêntimos gastos a mais.

 

 Vales, talões e outras complicações. Alguns valem a pena, outros nem tanto. O que destingue os dois, é decidir se o artigo de que tem vale, e que será de marca, fica mais barato e mais compensatório em termos de qualidade, que o de marca branca. Exemplo? Eu tenho Cartão Minipreço e nos talões deste mês tenho 1,20€ de desconto em Condicionadores, Máscaras e Espumas Pantene. Adicionando a isso, tenho um vale, enviado do site Para Mim (visite que só tem a ganhar, tem muitas mais dicas de poupança), de 1,50€ de desconto em Champôs ou Condicionadores Pantene. Como o talão do Minipreço não alberga Champô, compro o Condicionador, o qual também preciso e uso. O artigo está a 3,49€, retiro 1,20€ do talão e mais 1,50€ do vale e vou pagar apenas 0,79€ pelo artigo. Não é magia, é saber aproveitar as promoções e os vales e unir todas essas ferramentas de poupança que se complementam e nos fazem a carteira feliz.

 

 Comparar preços em lojas diferentes. Às vezes parece muito trabalhoso e não há vontade de ir a duas lojas diferentes no mesmo dia. Eu faço isso. Por exemplo, vou comprar as Natas para Culinária ao Minipreço, pois o preço é de 0,39€, e a seguir vou ao Pingo Doce comprar Mostarda a  0,59€, pois os preços são diferentes e mais dispendiosos nas lojas em que não os comprei.

 

 Promoções em quantidade. Aquelas coisas do Leve 3 Pague 2 ou afins pode de facto fazê-lo poupar, não hoje pois irá comprar mais quantidade do que queria, mas amanhã quando voltar a precisar do artigo e ele estiver mais caro. Isso é poupar.

 

 Se a loja tem cartão de fidelidade e é grátis, tenha! A sério, se não lhe vai tirar dinheiro do bolso e não demora muito a fazer, faça. Pode sempre servir para alguma coisa. O Cartão Minipreço tem os talões. O do Continente tem os descontos lá dentro e os vales enviados para casa. Claro que estes cartões apelam sempre à volta do cliente à loja mas se for para poupar, volta-se na mesma. Os que se paga eu não tenho, pois alguns são de crédito, o do Jumbo, da Worten e da Fnac por exemplo.

 

 Comprar online em muitos casos pode de facto ser uma forma de poupança. Tenha por exemplo o ClubeFashion. Não custa dinheiro para ser membro e pode encontrar aquela peça que sempre quis a um preço diminuto. Ou um serviço, nas Oportunidades. Eu já fiz compras lá por exemplo e só posso dizer bem. Leilões é que não faz o meu estilo pois é viciante.

 

 Pagar em dinheiro ao invés de cartão, mesmo que seja Multibanco. Quando se compra com dinheiro e se sabe exactamente quanto se levou para a rua, é mais fácil saber onde ele foi parar, o que muitas vezes com cartão não funciona, pois só marcamos o código e não temos a experiência visual de ver que estamos a gastar pouco ou muito. E isso é importante.

 

 Separar dinheiro. Dividir o dinheiro tendo em atenção as contas fixas, fará com que fique com noção do que resta para usar durante o mês. Desse que resta, tente sempre guardar entre 15 a 20%, pode ser necessário.

 

 Um fundo de emergência. Diz quem sabe que esse fundo deve ser equivalente a pelo menos 6x a quantia que gasta por mês nas despesas fixas, para durar 6 meses num eventualidade de doença ou falta de emprego. O problema é em poupar esse dinheiro todo. Isso já vai depender da forma de cada um racionar as suas prioridades e receitas/despesas. Eu tenho um mealheiro igual ao da foto e tento deixar as moedas dos trocos do dia lá. Quando o mês me corre bem e não preciso de recorrer a ele, é uma maquia agradável, acredite. Descubra o que funciona consigo, a forma adequada para si, que o levará a poupar!

 

 Não ter vícios. Vícios é aquela coisa que tem a ver com prazer ou dependência aguda. Faça as contas aos cafés que bebe, aos maços que fuma e ao álcool que ingere. Repense a sua posição quanto ao assunto. Se não conseguir deixar ou não quiser, tente aligeirar o vício. Já pensou no dinheiro que poupa ao mudar de tabaco normal para o de enrolar? Faça as contas. Há prazeres que ficam mais baratos e menos danosos para a saúde. Já aí está a poupar em contas de Hospital e Farmácia.

 

 Decida: transportes ou carro? Outra vez, faça as contas. O que compensa para si? Ir de carro o caminho todo ou apanhar o comboio? Fala-se muito em termos genéricos mas eu conheço quem poupe de uma forma e quem poupe da outra. A decisão final é sua, pois será você mesmo a ter controlo na sua vida.

 

 Quando vai trabalhar, leve o almoço/jantar de casa. Eu sei que é uma seca andar com aquilo de trás para a frente e é mais fácil comprar qualquer coisa no bar, mas essa qualquer coisa ao final do mês, vai ser um buraco no orçamento. Se fizer as contas direitinho, até vai andar mais contente com o saco atrás.

 

 Sacos. Tanto quanto sei ou tenha noção, apenas o Continente e o Jumbo não cobram pelos sacos de plástico, apesar do Jumbo ter caixas em que os sacos são pagos, guess what?, estão quase sempre vazias. Mas acredite que num futuro próximo isso vai mudar. Portanto, e até por questões ambientais, reutilize os seus sacos. Nunca vá às compras desprevenido, está absolutamente fora de questão! Poupar e ser eco-responsável num só gesto é um feito impressionante.

 

 Procure/Venda/Troque pechinchas. Há cada vez mais gente a fazer bijuteria e vendê-la a preços baratos ou a revendê-la, assim como peças de cosmética e roupa em 2ª mão. Encontra-as no Facebook por exemplo (eu encontrei e quando puder passar fotos para p pc posto com as devidas honras) e em blogs. Ver não custa. E se for o seu género, em vez de vender, troque o que não quer pelo que precise.

 

 Se tiver tempo, faça passatempos. Parece parvo mas não é. Há blogs, sites e páginas de Facebook que fazem passatempos ou sorteios regularmente. Tentar não é mau, o que é mau é deixar fugir oportunidades. Eu hei de fazer disso mas ainda não sei bem quando, por isso voltem. Neste site e noutros do género poderão ver o que há por aí e tentar a sorte. Eu lá vou ganhando algumas coisinhas, o que me faz poupar obviamente.

 

 

 Acho que não me estou a esquecer de nada mas se depois me lembrar de algo, faço uma sequela do post!

 

 Sejam felizes :)

 

 P.S. O meu mealheiro é tão giro pois é?

 

 

3 comentários

Comentar post