Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardins Suspensos

Jardins Suspensos

Palavra de Ordem: Esfoliar! :)

 Olá!

 

 Esfoliar, para mim, não é apenas correr com as células mortas que se quedam na pele, nem preparar a dita para o tratamento que vem de seguida.

 

 A verdade é que, a minha vida sem esfoliante, é muito menos preenchida. E eu cá gosto de ter coisas para fazer que me façam estar bem comigo mesma. Acho que o meu tipo de esfoliante preferido é o corporal. Acho não, eu sei bem que o é. Também gosto de esfoliar o rosto mas detesto limpá-lo e ter água a escorrer-me pelos cotovelos, se for Inverno fico logo aziada. Nos últimos meses tenho testado o acto de esfoliar o couro cabeludo e não desgosto, embora tenha de ser naqueles dias em que tenho mais tempo para o ritual capilar completo. Quanto aos lábios, eu gosto. Tenho é preguiça aguda na maior parte dos dias.

 

 Depois claro, há aquelas alturas em que a pessoa se enche de si mesma e faz tudo bem durante uns tempos. Nessas alturas de luminosidade interior, antes do "hoje não que estou tão cansada", sou uma imagem robotizada de mim. Cuidar de nós pode ser assim: uns dias inteiros de quando em vez, um acto do qual já nem se dá conta, ou então, por via da organização mental, um meio termo, onde o dever é um prazer e vice-versa. Acho que se formos felizes e capazes de nos vermos com clareza e sentido crítico não destrutivo, qualquer um desses estados ou dessas maneiras de cuidarmos de nós, é aceitável.

 

 Tenho vários esfoliantes, assim como em tudo, que eu cá sou um exemplo claro do que a minha empresa chama de "família racional". Claro está, estou a referir-me ao comportamento que é passível de ser comparado, o de comprar quase por atacado quando a oportunidade boa surge. Alma de armazenista.

 

 Como dizia, tenho vários, embora só tenha um capilar, dois de rosto, quatro de lábios em que três são iguais. A parte do tenho alguns é mesmo para os corporais. E embora os novos da MyLabel me tenham chamado devidamente o olho, o nariz e a carteira, a pessoa não precisa de mais. Pelo menos até acabar alguns ou aparecer aí um de edição limitada que tenha mesmo de ser. Isto em beleza e afins, nada tem mesmo de ser, mas se faz a gaja feliz sem passar fome, levem-me os tostões com grado.

 

 Vá, esfoliantes. Era disso que queria falar um pouco, mostrar um pouco. 

 

 

 Um representante de cada acho que seria o ideal para aqui figurar. O único que estou a usar há pouco tempo é o da The Body Shop, os restantes não são novidade para ninguém.

 

 

- Esfoliante Corporal com Azeite de Oliveira do Mediterrâneo Planet Spa da Avon: é um esfoliante corporal que consegue ser usado a seco com bastante decência, dado que efectua uma ligeira espuma sem recurso a água. Não cheira a azeite nem nada que se pareça e é um dos meus favoritos.

- Tea Tree Blackhead Esfoliating Wash da The Body Shop: com este, a coisa é a sério. A esfoliação é intensa e sente-se no rosto, que fica suave e com uma redução dos pontos negros à primeira aplicação. Não acho que deva ser usado por peles sensíveis porque não é o mais indicado para elas e mesmo eu, tendo pele mista e borbulhas ocasionais (e pele grossa segundo me disseram o.O), tenho de ter atenção porque ando sensibilizada no rosto. Mas estou a gostar.

- Esfoliante Labial Bubblegum da Lush: um já conhecido e todo o mundo sabe o quanto gosto dele. Não é o mais kick-ass, que nesse sentido, o da essence que eu tenho, por ter uma textura gelatinosa, consegue ser mais abrasivo para com as peles; mas é um xodó da mamãe na mesma.

- Pré-Champô de Argila Nativa SPA Terapias d' O Boticário*: eu noto algumas diferenças quando uso este produto, principalmente que o cabelo nas raízes fica muito mais solto. Não noto uma excessiva diferença na oleosidade, até porque com o calor, eu suo da cabeça e não dá para aferir com exactidão. A caspa tem diminuído um pouco mas nada de substancial.

 

 Esfoliar: vício, prazer, necessidade ou enfado?

 

 Beijoo :)

 

*o produto representado foi gentilmente cedido para apreciação