Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardins Suspensos

Jardins Suspensos

Uma Questão de Imagem

 Olá!

 

 No outro dia, de volta da minha avaliação anual, o tópico "imagem" veio à baila, o eterno dilema do que é parecer bem perante os clientes e a discrepância entre a nossa noção disso, em contraste com a das chefias. A verdade é que os meus problemas de farda ou falta dela, são de responsabilidade da empresa, não como um todo claro, mas das pessoas em quem recai essa responsabilidade na loja onde trabalho. Engraçado é que devido a isso, a minha avaliação neste factor pode ser menor, não obstante a culpa ser de outrem. Enquanto isso fica como está, que não, eu não vou pensar em assuntos de trabalho fora do horário do mesmo, falemos apenas de imagem.

 

 O que é estar bem, parecer bem, ter uma boa imagem, um cuidado aparente? A verdade é que sou simplista, se tomo banho, lavo a cara e visto-me de forma normal ou mesmo banal mas dentro do que se pode chamar de decoro, quem me pode apontar a imagem? E mesmo que não fosse assim? Pronto, falem-me dos ténis velhotes que destoam no conjunto mas eu preciso de algo que seja confortável e sacrificar os meus pés está fora de questão. E então, o que faz de uma imagem normal, de alguém normal, algo maior? Um par de brincos, um colar, um anel brilhante, um batom saliente, um sapato brilhante? E vá, normal é um termo cujo significado difere de pessoa para pessoa e se tudo é efectuado com respeito, ninguém tem que apontar ninguém pelo factor externo.

 

 Sou algo pragmática, se não estás borrada ou suja, se não cheiras mal e se fazes o teu trabalho com o melhor de ti, a imagem que passas é positiva. Para mim, uma mulher excepcionalmente maquilhada, sem cabelitos fora do sítio mas que olha de cima para os clientes e que age como se lhes estivesse a fazer um favor, passa uma imagem negativa. Num balcão de atendimento ou numa caixa de pagamento, se és educada até para quem não merece, se és afável com quem treme por todo o lado e quase não se consegue mexer mas tem de ir às compras, não vais estar preocupada se o lenço está torto. Mas a verdade é que eu baseio muito mais a imagem naquilo que sai da boca e das mãos das pessoas, do que exactamente do que trajam. Nesse aspecto, gosto de certas coisas e nunca usaria outras mas não é por sentir-me menos inclinada para certo estilo que o marco como uma prova de má imagem.

 

 Sim, sim, já sei que sou extraordinariamente básica e ligada às emoções mas também gosto de coisas dentro do que acho bonito e adequado. Um batom vermelho, uns brincos cintilantes, um aroma agradável e calçado que não mate pés. que os meus ainda incham, sim, o que não partiu deu para inchar. Esperemos que a fisioterapia dê um jeito nisto.

 

 Enquanto isso...

 

Em breve, será proibido no meu local de trabalho, andar com sapatos mais abertos como estes, entre outras jóias não entendíveis, cuja imagem passa por falta de tolerância e de um não incentivo à individualidade. No entanto eu acho este tipo de calçado simples e bonito, sendo em rosa dá-lhe uma imagem diferente, mais girly e menos pesada e é o tipo de calçado que quero na minha vida pedonal, assim que a minha circulação e os meus tendões colaborarem.

Mel II Pop por mel 30,00€

 

Quando o meu gajo vai trabalhar para o sítio dos meninos grandes, a imagem que tem de passar é de rectidão e de sobriedade, por isso o calçado deve ser preto, é o que se adequa. Lá está, a minha veia simplista revela-se ao não saber que muito mais dizer sobre o tópico. Além do mais, sou dotada de gajo simples que compra sempre o mesmo estilo de sapato porque é o que gosta e o deixa confortável sem condicionar uma mudança de ambiente que se proporcione no decorrer da sua vida laboral. 

EK Stormbuck Plain Toe Oxford por Timberland 145,00€

 

 Resumindo, a nossa imagem difere se estamos dentro ou fora do nosso local de trabalho, isso é um facto conhecido. Se temos a benesse de trabalhar onde podemos adicionar personalidade própria à dita imagem, melhor. Caso não, fora das garras dos patrões e da pressão das autoridades pouco competentes, sejamos apenas nós, de cara lavada ou de maquilhagem completa, com ou sem glitter, seja de que cor for a roupa e o calçado. Aquilo que verdadeiramente importa na nossa imagem, para mim, é que estejamos bem com a projecção dela, perante nós mesmos ao espelho. O da alma primeiro que o do hall de entrada.

 

 Beijoo :)

 

*post publicitário