Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jardins Suspensos

Jardins Suspensos

Agora que o Diamond Dust assentou, Make B Black Crystal Collection...

 Olá!

 

 Agora que o tumulto passou, que o efeito é-novo-queroooo acalmou, vou falar-vos sobre Make B Black Crystal Collection. Sim, sei que o ímpeto é falar enquanto o assunto está quente, a escaldar a escaldar, mas também é importante o rescaldo, a avaliação de algo depois da ideia disso assentar convenientemente no espírito consumista e pró-coisas lindas da mamãe. 

 

 Não acho que seja necessário um tour visual pelos meandros da colecção, pelos artigos que fizeram a travessia atlântica até nós; foi algo que foi visto na sua plenitude em variadíssimos blogs, cada qual de sua maneira e feitio. Então falamos sobre o quê exactamente, se as bloggers associadas à marca já esmifraram tudo o que lhes foi possível, nessa ânsia de se destacarem umas das outras?

 

 Falemos sobre diversidade. 

 

 O Boticário lança nesta altura, 2 colecções por ano no range Make B e cada uma delas tem uma imensidão de itens. A adicionar a isso, desde a Make B Miami Sunset, no pico da estação a que se destina (Alto Verão ou Alto Inverno), a marca lança itens adicionais, tentanto não apenas diversificar a sua oferta, como também responder às tendências. Porque isso é algo que anda de mãos dadas com diversidade, essa coisa de saber o que se usa e oferecer produtos que respondam a isso, mesmo que a colecção já tenha saído. Desde que se associou ao SPFW, a marca elevou a linha Make B a um estatuto de marca tendência - daí o slogan "Make B, você linda e na moda" -  quer em cor quer em textura, e também se tenta evidenciar como uma gama que pode ser usada por profissionais da área. 

 

 No âmbito da diversidade, convenhamos que é complicado lançar produtos diferenciados, quando se tem uma oferta regular já de si extensa. Como exemplo temos os batons: na linha Batom Perfeito, temos cerca de 10-15 tons e a eles somamos mais cerca de 8 tons de edição limitada por ano, sendo certo que não se quer repetir tons e havendo a possibilidade de lançar Hidralips como aconteceu na Miami Sunset. É complicado? Claro que sim mas como se tornou óbvio, não é impossível.

 Nesta colecção os batons trouxeram tons que muita gente queria, lilás e roxo e fizeram-no com qualidade. Relançou os clássicos tons vermelhos que foram fruto do Alto Inverno, assim como o lançado na mesma altura Silver Jewel, o iluminador com a embalagem mais linda de para deixarmos no toucador. Depois saimos da variante baked em termos de blushes e voltaram as embalagens standart, cujas cores diferem do que já há. Voltaram os eyeliners em gel que tanta gente gostou na Make B Fashion. Os glosses levaram um arrojo, não apenas no que ao lilás diz respeito mas também com um tom de preto e outro mais metálico, que não sendo tons de todos os dias, são uma ferramenta que os profissionais que trabalham com maquilhagens artisticas, certamente agradecerão. Ainda foram agraciados com a variante Rouge do Alto Inverno. A máscara de pestanas com duas opções que se tranformam em três benefícios, era algo que já acontecia em muitas outras marcas e tardava em chegar pela mão d' O Boticário, que assim que teve oportunidade, restabeleceu o equilibrio entre o que se quer e o que há para se ter. Os lápis de olhos, um em verde e outro em clássico preto, levam o apontamento de um cristal Swarovski na extremidade, tornando um artigo banal na fua função, em algo que queremos ter. Falar em verde, esse foi o tom de quarteto mais diferenciado que a marca lançou, sendo que esta colecção apenas oferece quartetos e não duos mas sendo três no total, a coisa compoe-se. Vamos do clássico preto e seus compadres, passamos por uma junção de roxo com dourado e aterramos no verde, que fez as delícias mesmo de quem não sabia que gostava de sombra verde. E até nos vernizes a marca foi mais além, incluindo glitter e magnéticos na sua oferta, mais os vermelhos de sempre fruto do Alto Inverno. Ainda temos as pestanas postiças, item que a mim passa muito ao lado mas são gostos e manias, cada qual com a sua.

 

 Em suma, é isso, a marca prima pela surpresa, pela dúvida do que irá lançar e da sua textura, dos tons escolhidos, a já apontada diversidade. Se são como eu, vivem esse aspecto na hora em que os produtos são lançados no Brasil, acho que quando somos interessadas, devemos não só ligar a lançamentos das chamadas marcas high end, mas também das que irão ter oferta para nós, ainda que com a devida triagem.

 

 Falando em triagem, há produtos desta linha que não chegaram cá. Falo-vos de uma paleta enorme, cheia de sombras em pó e cremosas, batons, iluminador, blushes, correctores. Falei sobre ela com a Liliana da loja do Chiado aquando do lançamento e daquilo que falámos, entendi que o preço que a paleta teria de custar por cá, seria demasiado elevado e que não é item que tenha grande saída. A verdade é que temos acesso a paletas do género a preços relativamente acessíveis e já com a Make B Infinit, a paleta lançada não fez sucesso por cá (paleta primeiramente cedida apenas a bloggers mas que esteve à venda nas lojas). Pronto, aí eu desculpo, que embora seja algo que dê sempre jeito, não era de todo o meu foco da colecção.

 A verdade é que eu seria uma gaja feliz se a marca tivesse trazido o kit batom para cá. O kit batom era um conjunto de batom rosa claro e um estojinho porta-batons, cheio do brilho cravejado de cristais Swarovski e que nos eleva a uma memória antiga, de quando as nossas mães e avós carregavam os seus batons na mala dentro de uma enbalagem própria. Vá, o tom de rosa não era o meu tom preferido, eu queria mesmo o porta-batons. Mas é que queria mesmo! Isso e o espelho. Yap, eu queria o espelho para enfiar na mala ou na necessaire, sou fã incondicional de espelhos de bolsa, tenho uns quantos e gosto de os ir trocando. E mesmo em termos de vernizes, a marca tinha um duo de pretos pensados para uma unha francesa muito especial, um mate e um de acabamento glossy e acho que, sendo básicos e pretos, podiam ser facilmente aceites pelas unhas portuguesas, que cada vez mais arriscam e se enchem de beleza.

 

 Digam lá que, e pessoalmente excluindo a paleta, não eram itens assim para o mais que apetecíveis?!O espelho e o porta-batons são puro amor para mim, derivado aos detalhes que ambos têm.

 

 Mas adiante, não vale a pena chorar mais, mostrei-vos porque acho interessante perceber o que não recebemos, quiçá por nos conhecerem como sendo um determinado mercado, quando alguns dos itens poderiam perfeitamente ter sucesso em terras lusas. Vale a pena ficar de olho aberto, hã O Boticário?! ;)

 

 Ora bem, e nesta altura, eu já tenho alguns itens da colecção...

 

 

 Entre ofertas da marca e o meu aproveitamento do vale de desconto que veio na Cosmopolitan deste mês, avisei no Instagram, tenho um apanhado geral da oferta desta Black Crystal Collection.

 

 Em breve os artigos irão surgindo, cada um com o devido destaque. A eles gostaria de juntar o quarteto Diamond Boreal, o tal de tons verdes, todo o mundo e arredores sabe que eu sou uma entusiasta por sombras.

 

 E aviso também, a quem não conseguir encontrar nas lojas o Batom Perfeito Dark Rouge, dado que ambos os Rouge se esgotaram rapidamente, testem o Vermelho Profundo da linha regular. Fiz o teste em loja e a diferença está no tom um pouco mais cereja do de edição limitada. Testem também porque o Vermelho Profundo é um tom muito bonito e merece mais destaque ;)

 

 Agora que o diamond dust assentou, que me dizem da Make B Black Crystal Collection?

 

 Beijoo :)

 

*post publicitário

2 comentários

Comentar post