Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jardins Suspensos

Jardins Suspensos

Como será a vida depois de se ser despedido por roubar?

Na passada sexta-feira no trabalho, perguntaram-me:

 

- Soubeste do que aconteceu à C?

 

Nos segundos que precederam a resposta ao meu não, várias coisas me passaram na mente, nenhuma delas agradável, dado que aquela pergunta tinha um prenúncio agoirento. Pensei que pudesse ter tido algum acidente, que se tivesse aleijado, algo do género.

 

- Foi despedida. Por roubar.

hand-getting-caught-in-the-cookie-jar.jpg

Conheço a C há 10 anos, mais mês menos mês. Sempre trabalhou na caixa e sempre foi daquelas que falam com os operadores de dentro da loja, há muitas meninas de caixa que não se dão com peixeiras, charcuteiras e afins, parecem ter medo que lhe peguem alguma coisa. Ela nunca foi assim e sempre gostei dela, quando podia escolher para que checkout ia, escolhia o dela e pouco mais. Quando fui para a caixa, ela sempre me ajudou quando precisei e mesmo em matéria de outro tipo de assunto, como irs ou como recusar a aderência ao banco de horas, ela foi útil e prestativa. Nunca ouvi da boca dela alguma queixa em relação à vida que levava mas a verdade também, é que nunca fomos mesmo amigas. Sim, confiava nela o suficiente para lhe dar para a mão a chave do meu cacifo para que ela lá deixasse algo para mim mas nunca fomos amigas. Gostava dela e confiava nela num nível superficial.

 

Apesar da razão para a deixar de ver todos os dias, eu continuo a gostar dela. Sei que errou, que enganou quem confiou nela, mas não consigo desligar totalmente. Permiti-me ficar chocada durante dois dias e agora, ao terceiro, só fico triste. Penso que ao voltar à procura de trabalho e a imprimir currículos, o que fará ao período entre 2005 e 2015? Como vai explicar onde trabalhou ou porque saiu. Se a sua nova entidade patronal procurar referências, como irá lidar com isso? E como será lidar com a vergonha de contar à família o porquê de se estar desempregada?

 

A C é casada com o J, eles conheceram-se lá na loja, namoraram e casaram. Sim, ele trabalha ali. Como será lidar com isso? Trabalhar na loja onde a mulher foi despedida por roubar. Será que pensam que ele sabia, que era conivente? E se não, como terá ele lidado com isso? Não gosto dele, acho que é demasiado arrogante e demasiado exibicionista na forma de mostrar que entende ser superior ao trabalho que lhe dá sustento. Tive de o desamigar no facebook por causa da poluição visual e verbal. Será esta uma lição de humildade para ele? Irá ficar, irá sair, irá mudar a vida pessoal?

 

"Não é a primeira e não será a última."

Disseram-me isso e eu tenho de concordar. Há uma meia dúzia de anos aconteceu com outra rapariga. Não a conhecia bem e do que conhecia, não gostava, era do tipo de que falei ali em cima. Há dois anos foi um supervisor. Não soube de nada na altura, deixei de o ver e pensei ter ido de férias. Não desgostava dele mas não era próxima, fiquei a pensar nos dois miúdos pequenos e a mulher desempregada mas o meu pensamento ficou por aí. Há uns meses foram dois, um casal de miúdos parvos que achavam ser mais espertos que toda a gente. 

 

Aqui custa-me um pouco mais e sei que vai continuar a haver zumzum durante um tempo, apesar de que com chefias e assim quase parecer tabu tocar nesses assuntos. E depois tens a percepção de que, se a caixa dela aparecia certa, tem de haver uma supervisão muito apertada sobre nós, caixas, para detectar algo assim. Ou isso ou um erro monumental. E sentes-te sufocada.

 

C, espero que estejas bem, que o futuro te dê uma luz maior e que encontres o teu caminho. Já vi pessoas a transformar as suas vidas para algo melhor. E acredita que tinham muitos mais erros no seu percurso que tu.

1 comentário

Comentar post